Buscar
  • Hollun

CULTURA E MARCA: CONECTAR OU MORRER!

Christina Carvalho Pinto e Paulo Monteiro


O velho marketing está se aposentando, preparando seu adeus à era da ilusão, palavra que na origem latina está ligada à ironia e deboche.

No frenesi do consumismo, a ilusão ocupou o trono de rainha. Comandou falsos desejos, criou falsas necessidades, debochou da ansiedade galopante que tudo isso é capaz de gerar.

Nesse reino de miragens – que ainda está aí - os súditos trabalham loucamente para agradar a rainha. Tomam fórmulas superácidas pensando estar bebendo felicidade. Medem-se uns aos outros por metro quadrado, localização da metragem e preço das traquitanas que enfeitam seus corpos, seus espaços e as tantas inutilidades adquiridas - literalmente - com seu suor e sangue.

Nas empresas desse reino, cultura e marca não se comunicam.

A cultura fica escondida atrás dos altos muros da empresa, encoberta de palavras belas nos books e nas paredes, e pulsando em outra frequência, onde luzes e sombras se entrelaçam com tamanha intensidade, que o declarado não sobrevive na prática. O modelo mental que atravessou gerações decretou que tudo deve girar exclusivamente em torno do dinheiro, qualquer que seja a consequência. As metas financeiras são alucinantes e o clima é tenso, dominado pela ganância. O sofrimento intramuros é forte e mudo, fazendo do burnout uma epidemia entre executivos e colaboradores.

Já a marca é só alegria! Quer traduzir o que é a empresa, mas vive completamente separada da sua cultura, como se fosse possível parir uma criança gerada fora do útero. É assim a vida no Reino da Ilusão.

Criada e nutrida por ilusionistas, a marca é também máscara: transmite as maravilhas, os valores e o alto astral que a empresa não pratica e induz a desejos que a massa de súditos, de forma geral, jamais sentiria espontaneamente.

A rainha Ilusão é insaciável, mas, por pensar tanto em si, vive distraída, desconectada. Não percebe que, pelos portões de seu reino evadem, neste exato momento, milhares de súditos e filhos de súditos, todos de mudança para outro reino, que não para de crescer: o Reino da Verdade.

Ali não há muros nem portões. O dentro e o fora são uma coisa só, um mesmo flow, como dizem os novos habitantes.

A Verdade não ocupa trono nenhum: habita, sem cerimônia, os corações e mentes de todos.

No Reino da Verdade também existem empresas. Muitas já nasceram lá e outras vão chegando, desertoras do Reino da Ilusão. Suas instalações são transparentes, como tudo nesse novo reino. Ali cultura e marca são um continuum: a marca expressa para o mundo dos clientes o que a cultura representa internamente. A palavra de ordem é autenticidade. O elo cultura-marca é sincero, indissolúvel. E como não há muros, todos neste reino são ouvidos e participam da criação de tudo: empresas e suas culturas, produtos, serviços e marcas.

E por falar em marcas, enquanto no Reino da Ilusão a palavra marca veio do velho hábito de marcar o gado com ferro em brasa (burnt/brand), no Reino da Verdade marca é aquilo que quer prosperar como legado positivo para a História.

Lá isso é tão sério que a população local, conhecida como geração pós- consumo, não tem qualquer interesse nas marcas do velho modelo. Não é gado para ser marcada.

O que essa geração exige é que empresas e marcas deixem de destruir a Vida e o Planeta e passem a pavimentar sua trajetória através de processos regeneradores. Ou seja: que realizem em escala o que os seres humanos querem realizar como indivíduos.

As empresas que abraçam esse caminho regenerador por convicção, com sinceridade - e não apenas para atrair clientes através de ferramentas do marketing de engajamento – ganham não mais consumidores (termo em desuso no Reino da Verdade), mas amigos de verdade.

Consumidores cabem naquele velho reino, o do consumismo.

No novo reino marca não é isca: é ponte bem construída entre cidadãos conscientes e a cultura da empresa.

O novo reino prevalecerá nestes tempos de rápidas mutações que estamos vivendo.

Quanto aos defensores do velho reino e suas práticas obsoletas, resta a eles render-se ao movimento irreversível da História - ou encomendar seu próprio velório.

47 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

É Hora de Matar os Gurus

Calma, gente! Obviamente esse título tem um sentido figurado, é uma metáfora. Há um certo tempo me incomodo com a importância e projeção que estudos do tipo “tendências de futuro” ganham aqui no Brasi

EDUCOMUNICAÇÃO E A REINVENÇÃO DA EMPRESA DO SÉCULO XXI

Paulo Monteiro Em busca do sentido perdido “Eu conheço um planeta onde há um sujeito vermelho, quase roxo. Nunca cheirou uma flor. Nunca olhou uma estrela. Nunca amou ninguém. Nunca fez outra coisa se